Comunidades

Comunidades de Prática são grupos de pessoas que compartilham uma preocupação, um conjunto de problemas ou uma paixão por um tópico, e que aprofundam seus conhecimentos e habilidades nessa área interagindo de forma contínua [WMS02].

As Comunidades de Prática (CoP) estão enraizadas na auto-organização. Elas não aparecem em um organograma. A participação é voluntária - as pessoas se envolvem porque têm paixão por aprender ou contribuir.

As organizações não podem formar CoPs como se elas fossem departamentos ou projetos. Mas as organizações podem promovê-las e fornecer suporte, facilitadores, infraestrutura de TI, orçamento.

CoPs e LeSS funcionam bem juntos; Ambos abraçam o voluntariado e a auto-organização. As CoP precisam de um líder informal, chamado coordenador das CoP, que emerge do grupo por causa da paixão pelo assunto. Uma parte do cultivo das CoPs é apoiar os coordenadores das CoPs. Às vezes, as atividades de coordenação se tornam um papel de tempo integral e o coordenador pode então passar para a unidade de Suporte. No entanto, tenha cuidado com os coordenadores das CoP em tempo integral; Ironicamente, eles podem perder contato com sua prática justamente por não mais … praticar.

Trabalhamos com uma organização multinacional que tinha um ScrumMaster da CoP que era incentivado por um apoio centralizado da organização. A CoP consistia de centenas de ScrumMasters discutindo questões relacionadas ao Scrum em sua lista de discussão. Todos os anos, eles organizavam uma Reunião Interna de Scrum, em um formato Open Space.

Use CoPs para aprendizado funcional

Muitas organizações se tornam conscientes sobre as CoPs através da transição para equipes multifuncionais e da eliminação da estrutura matricial. Estávamos treinando a Lockheed-Martin há alguns anos, durante seus primeiros dias de adoção ágil. Os grupos de projetos ou de produtos tinham sido previamente (obviamente) organizados em equipes funcionais (analistas, testadores, etc.). O pessoal da Lockheed-Martin percebeu que quando mudassem para uma abordagem ágil, abolindo o gerenciamento matricial e adotando equipes multifuncionais de longa duração, poderia haver um problema no aprendizado ou compartilhamento de conhecimento relacionado a uma função. Por exemplo, eles perguntaram: “Como todos os testadores especialistas aprenderão - como grupo - sobre uma nova prática de testes, quando forem distribuídos para diferentes equipes multifuncionais?” Por causa dessa pergunta, eles descobriram as CoPs e criaram um sistema de apoio para cultivar seu crescimento.

A cultura de aprendizado da Toyota é “espalhar o conhecimento de forma lateral.” Esta prática é chamada yokoten. A pessoa que aprendeu algo novo ou melhorou uma prática é responsável por compartilhar isso. O pessoal da Toyota é suportado no compartilhamento ativo e proatividade em procurar ideias e práticas através dos grupos e dos silos. O conceito de CoP é semelhante ao yokoten.

Uma CoP não é uma organização matricial com roupagem nova? Não, há claras diferenças conceituais entre elas.

As comunidades de prática fornecem uma diferente abordagem fundamental para o mesmo objetivo. A estrutura matricial se concentra apenas na distribuição de autoridade e na coordenação de recursos através da multiplicação das relações de reporte. Não cria estruturas diferentes para propósitos diferentes. Enquanto uma estrutura matricial tem relações de reporte em ambos os braços, as comunidades de prática fornecem um tipo diferente de estrutura para se concentrar no conhecimento. Elas são baseados em relacionamentos colegiais, não relacionamentos de reporte. Mesmo os líderes das comunidades [coordenadores da CoP] não são seus patrões; Eles são seus pares. Esta combinação de estruturas formais e informais é fundamentalmente diferente de uma estrutura matricial. [WMS02]